• Sergio Benchimol

Olhos vermelhos: o que pode ser?



Você está com os olhos vermelhos e não sabe o que pode ser?

Nossa primeira dica é: fique tranquilo. Raramente é sinal de algo grave. Mais abaixo comentamos quando o quadro exige maiores cuidados.

A segunda observação é que se trata de uma manifestação relativamente comum. Afinal, os nossos órgãos de visão são muito vascularizados e sensíveis. Quando eles são afetados, por exemplo numa inflamação, é bem possível que os vasos se dilatem e isso aconteça.

Para que você conheça algumas das prováveis causas e saiba o que fazer, nós, da Clínica Benchimol, preparamos este artigo.

Continue aqui com a gente e veja:

· Quando buscar a ajuda do oftalmologista em caso de olhos vermelhos?

· Que inflamações e doenças deixam os olhos vermelhos?

· Recomendações finais da Clínica Benchimol para você


Quando buscar a ajuda do oftalmologista em caso de olhos vermelhos?

O que você tem é um problema pontual? Uma vermelhidão momentânea, passageira?

Nesse caso, pode ser:

· um cisco

· uma noite mal dormida

· lentes de contato sem a correta higiene

· muito tempo de exposição às telas

· contato com cloro ou fumaça

Mas, se o incômodo durar por mais de dois ou três dias sem qualquer sinal de regressão, é possível que seja inflamação ou até uma doença oftalmológica. Isso pede cuidados e, claro, uma visita ao médico especialista.

A urgência em procurar o oftalmologista aumenta se, além da vermelhidão:

· seus olhos têm secreção purulenta

· você usa remédios anticoagulantes

· há suspeita de abrasão da córnea

· você perceber os sinais descritos abaixo no item “glaucoma de ângulo fechado”


Que inflamações e doenças deixam os olhos vermelhos?

É comum que as pessoas remetam olhos vermelhos logo à conjuntivite. É o caso mais comum. Mas também podem ser outras doenças e inflamações.

Conheça algumas das hipóteses e o que elas provocam.

1) Conjuntivite: trata-se de uma inflamação na conjuntiva do olho. A origem pode ser viral, bacteriana ou até alérgica por conta de poeira ou de maquiagens, cosméticos e outros agentes químicos. Costuma provocar ainda coceira e secreção.

2) Terçol: também é uma inflamação, mas acontece nas pálpebras, gerando uma espécie de carocinho. É normal que a pessoa perceba outros sinais, como: coceira, secreção amarelada, lacrimejamento e sensibilidade muito grande à luz.

3) Blefarite: bem semelhante ao terçol, mas ainda deixa o paciente com pequenas crostas que incomodam na hora em que ele acorda e abre os olhos.

4) Uveíte: mais uma inflamação, dessa vez, na camada média do globo ocular (chamada úvea). Junto com o principal sintoma comentado neste artigo, a pessoa sente dor e tem grande sensibilidade à luz, além de problemas no campo de visão – com imagens turvas e presença de moscas volantes escuras.

5) Síndrome do olho seco: costuma acometer quem passa muito tempo diante das telas. O que acontece é que o olho recebe menos lubrificação natural, o que aumenta o atrito das pálpebras. A região fica inflamada, irritada e vermelha, gerando um incômodo extra, como se ali existisse um corpo estranho.

6) Pterigio: é uma lesão que surge na conjuntiva e segue – com aparência de tecido avermelhado – em direção à pupila. Entre os incômodos, o paciente pode ter ainda: sensibilidade à luz, lágrimas, ardência, sensação de corpo estranho nos olhos e visão turva.

7) Hemorragia subconjuntival: acontece quando pequenos vasos sanguíneos da conjuntiva se rompem. O sangue fica retido ali, provocando as manchas vermelhas. É possível que a pessoa sinta também irritação e tenha a sensação de que existe um corpo estranho nos olhos.

8) Glaucoma de ângulo fechado: deixamos este para o fim para dar destaque. É o caso mais urgente e é importante que o paciente busque ajuda médica o quanto antes. Caso contrário, em poucas horas a pressão intraocular pode subir a ponto de comprometer o nervo óptico e levar à cegueira irreversível. Para facilitar a identificação, outros sinais que podem aparecer são:

· dor forte nos olhos

· lágrimas

· perda da acuidade visual

· dilatação da pupila (que também se torna fixa)

· Córnea turva

· Edema da córnea

· Percepção de luzes intensas com um halo em volta


Recomendações finais da Clínica Benchimol para você


Se você reparar bem,em geral, os quadros acima têm sintomas muito semelhantes.

E essa é mais uma razão para reforçar conselhos básicos da área da saúde. Procure sempre um especialista, não tente adivinhar o diagnóstico, não se automedique. Afinal cada caso pede um tratamento específico.

Para identificar o que você tem – se estiver com os olhos vermelhos –, um exame muito eficiente é o da lâmpada de fenda, feito por um oftalmologista.

Agende uma consulta e, antes disso, não use nem colírios. Siga apenas as medidas usuais de higiene.

Sempre que precisar, nós, da Clínica Benchimol, estaremos à disposição e teremos prazer em orientá-lo e resolver o seu problema ocular.


0 visualização0 comentário